1ª Oficina de Alimentação mapeia produção agroecológica do Estado de Sergipe

"Põe a semente na mão de quem semeia. Põe a semente na mão do semeador. Põe a semente na terra e deixa germinar. A semente nasce e cresce. Ela vai dar bom fruto e vai saciar". 

1° Oficina de Alimentação é realizada em Sergipe.
Foto: Priscila Viana.
Sob as bênçãos da memória ancestral e da força do alimento, foi realizada a "1° Oficina de Alimentação" preparatória para o XI Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA). Com o tema "Cultura Alimentar e Produção Agroecológica em Sergipe", a oficina reuniu cerca de 50 pessoas entre a sexta e o sábado, 12 e 13 de abril, no Assentamento Quissamã, em Nossa Senhora do Socorro, para iniciar a construção coletiva do mapa geográfico da produção agroecológica de Sergipe.

Com os pés na nossa abençoada terra e a mente voando bem alto rumo aos sonhos, agricultores e agricultoras dos territórios agroecológicos e empresas fornecedoras de alimentação coletiva em Sergipe caminharam rumo ao fortalecimento da parceria necessária para garantir uma alimentação agroecológica durante o XI CBA, que será realizado em Sergipe, entre 4 e 7 de novembro de 2019.

Grupos mapeiam produção agroecológica.
Foto: Márcio Santos.
A partir de uma metodologia participativa de mapeamento, as/os participantes foram divididos em grupos simbolizados por diferentes regiões do Estado. Cada grupo encarou o desafio de mapear a produção agroecológica dos territórios, tendo como horizonte a preparação da alimentação do XI CBA. Em seguida, o mapeamento por região foi sistematizado em plenária, oportunidade de aprofundamento do diálogo entre as agricultoras e os agricultores e as empresas fornecedoras de alimentação.

"Muito interessante essa troca de experiências entre as comunidades e é incrível perceber a disponibilidade e variedade de produtos que temos por todo o Estado, coisas que eu nem sabia", afirmou a marisqueira Maria Geonísia, mais conhecida como Nice, moradora do povoado Muculanduba, em Estância.

Durante os dois dias de oficina, o alimento foi o personagem principal, a partir da sua simbologia de memória, identidade e valor cultural para os povos. Ao final do evento, foi formado um Grupo de Trabalho (GT) da Alimentação, que seguirá se dedicando à articulação e fortalecendo a parceria necessária para garantir uma alimentação 100% agroecológica durante o XI CBA.