Festival Internacional de Cinema Agroecológico – 2019



Abertas as inscrições para o Festival Internacional de Cinema Agroecológico. Festival será realizado em Sergipe e compõe a programação do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia.

“O cinema é um modo divino de contar a vida.”
(Federico Fellini)

Em tempos de imensos desafios na construção diária do fazer agroecológico, o audiovisual tem cumprido um papel essencial, seja enquanto ferramenta pedagógica na luta pela defesa dos territórios, ou como potencializador de diálogos e trocas de saberes para a construção de relações justas e igualitárias entre o ser humano e o meio ambiente. 

Em diversos países, principalmente pela América Latina, tem sido potente o crescimento de realizações audiovisuais que trazem a público as narrativas invisibilizadas das famílias camponesas e dos povos indígenas e quilombolas, que denunciam as mazelas causadas pelo uso indiscriminado de agrotóxicos ou que expõem as batalhas travadas contra a desigualdade  socioeconômica e a concentração fundiária, a questão de gênero, dos direitos humanos, entre outros temas caros à luta pela agroecologia. 

Por isso, com o objetivo de potencializar a difusão da produção audiovisual e promover o intercâmbio entre cineastas, atores, produtores agroecológicos, pesquisadores e comunidades tradicionais, a ABA-Agroecologia e a Rede Sergipana de Agroecologia (RESEA) divulgam a abertura das inscrições para o Festival Internacional de Cinema Agroecológico (FICAECO).

Até o dia 15 de agosto, poderão ser inscritos no FICAECO os filmes realizados a partir de 1º de janeiro de 2016, nas modalidades curta, média e longa-metragem, a partir dos gêneros: ficção, animação, documental ou experimental, com temática agroecológica. As inscrições são gratuitas.


REGULAMENTO

I – DA DATA E LOCAL
Art. 1º – O FICAECO – Festival Internacional de Cinema Agroecológico se realizará na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Campus São Cristóvão - estado de Sergipe, Brasil, no período de 05 a 07 de novembro de 2019.
.
II - DA ORGANIZAÇÃO
Art. 2º - O FICAECO 2019 será organizado e realizado pelo Congresso Brasileiro de Agroecologia e instituições parceiras.

III – DA FINALIDADE
Art. 3º – O FICAECO  tem como finalidade divulgar, exibir e homenagear obras audiovisuais de curta-metragem (aquelas com até 29 minutos e 59 segundos de duração), média-metragem (com duração entre 30 minutos e 69 minutos e 59 segundos) e longa-metragem (aquelas a partir de 70 minutos de duração), nos gêneros ficção, animação, documental ou experimental, com temática agroecológica, produzidas em qualquer parte da América latina de língua espanhola e portuguesa, além de promover ações de difusão, o debate e o intercâmbio entre cineastas, produtores agroecológicos, pesquisadores e comunidades.

IV – DA INSCRIÇÃO
Art. 4º – Estão aptos a se inscreverem para o FICAECO 2019  filmes com temática agroecológica produzidos nos países da América Latina de língua espanhola e portuguesa e lançados a partir de 1º de janeiro de 2016.

Art. 5º – As inscrições estarão abertas entre as 08:00 horas do dia 10/07/2019 e as 18:00 horas do dia 15/08/2019 Inscrições Prorrogadas até o as 18:00 horas do dia 15/09/2019, conforme horário oficial de Brasília-DF, por meio do preenchimento de ficha de inscrição eletrônica no site http://www.cbagroecologia.org.br/

Art. 6º – No ato da inscrição online, o produtor ou realizador deverá anexar um link privado, com a respectiva senha do filme (se houver) habilitado para download exclusivamente em formato mp4 ou quicktime.

Art. 7º – A organização do FICAECO 2019 não se responsabiliza por links corrompidos, danificados ou inacessíveis enviados ao festival.

V – DA SELEÇÃO
Art. 8º – Uma curadoria convidada pela organização do festival selecionará, dentre as obras inscritas, aquelas que participarão da Mostra Oficial, tendo total autonomia para desclassificar as obras que não se enquadrarem nos critérios do FICAECO 2019 ou não atenderem às exigências do presente regulamento.

Art. 9º – A lista das obras selecionadas para Mostra Oficial será publicada no site do Congresso Brasileiro de Agroecologia 2019 (http://www.cbagroecologia.org.br/) até 20 de setembro de 2019, sendo esse prazo prorrogável a critério da organização do FICAECO e devidamente informado em nosso site.

VI – DAS OBRAS SELECIONADAS
Art. 10º –As cópias para exibição dos filmes selecionados deverão impreterivelmente chegar ao escritório do FICAECO até o dia 10 outubro de 2019, às 18 horas, através do seguinte endereço:
Link para download enviado para: festivalcineagroecologico@gmail.com

Parágrafo Primeiro – Filmes selecionados cujas cópias não chegarem até o escritório do Festival no prazo previsto no edital poderão ser desclassificados, a critério da organização e produção do Festival.

Parágrafo Segundo – As obras selecionadas serão exibidas na Mostra do FICAECO 2019 no formato MOV H264 ou Bluray.

VII – DA PREMIAÇÃO
Art. 12 – O Júri Oficial do FICAECO, indicado pela organização do Congresso Brasileiro de Agroecologia, será constituído por membros de destacada atuação audiovisual ou agroecológica e coordenado por um presidente, responsável pelas atas de reuniões, sendo suas decisões soberanas e irrecorríveis.

Art. 13 – O Júri Oficial concederá os seguintes troféus:
I. Troféu Festival Internacional de Cinema Agroecológico para todas as obras selecionadas para a mostra principal.
II. Certificado Festival Internacional de Cinema Agroecológico para todas as obras selecionadas para a mostra principal.
III. Troféu Ana Primavesi as pessoas que serão homenageadas pelos trabalhos prestados no cinema e também na agroecologia.
IV. Todas as obras de língua ou Legendadas em espanhol da mostra principal devidamente aprovadas pelos seus realizadores serão exibidas a partir de um convênio na TV Cubana em Cuba em 2020.

Art. 14 – Serão admitidos outros prêmios oferecidos por instituições nacionais ou internacionais, desde que previamente aprovados pela organização do Festival.

VIII – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS
Art. 15 – A organização do Festival reserva-se o direito de exibição, sem ônus, em cinema, televisão e internet, de extrato de até 3 (três) minutos das obras selecionadas para efeito de divulgação do Festival.

Art. 16 – As obras selecionadas serão exibidas em um ambiente com as seguintes especificações técnicas:

I – Sala 01: Sala com sistema de projeção em MOV H264 e Bluray com projetor de no mínimo 20.000 ansilumens e som Dolby Digital 5.1.

 Parágrafo Primeiro – A montagem da grade de exibição dos filmes para os ambientes de projeção será de responsabilidade da organização do festival, considerando a classificação indicativa e os temas abordados.

Art. 17 – O envio da inscrição pelo produtor ou realizador da obra audiovisual implica na aceitação plena deste regulamento.

Parágrafo Único – O presente regulamento está redigido em português e espanhol, prevalecendo, em caso de dúvida, a interpretação em português.

Art. 18 – Os casos omissos neste regulamento serão dirimidos pela organização do FICAECO 2019 em reunião coordenada pela organização do Congresso Brasileiro de Agroecologia sendo suas decisões irrevogáveis.






Informações/Contato: ficaeco@gmail.com




CURADORIA
_________________________________________________________________________



Waldo Ramírez de la Rivera
Bacharel em História da Arte pela Universidad de Oriente (Santiago de Cuba). Produtor cubano de vídeo e televisão. Fundador da Televisão Serrana. Diretor geral da TV Cubana. Atualmente coordena os trabalhos editoriais do Portal da TV Cubana na internet www.tvcubana.icrt.cu e dirige a Revista Digital e Print do ICRT. Cuba.






Iriana Pupo Serrano
Estudou na instituição de ensino UNIVERSIDAD DE LAS ARTES DE CUBA. trabalhou como diretora se televisão na empresa do Canal Habana e também na empresa TV Serrana. Estudou na instituição de ensino Instituto Superior de Arte e na instituição de ensino Instituto Superior Pedagógico de Manzanillo. Realizadora e diretora de documentários, produtora em Cuba.






César David Rodríguez
Engenheiro com atuação em extensão e desenvolvimento rural sustentável, planejamento de sistemas de energia renovável e processos educativos voltados à agroecologia. Possui graduação em Ingeniería en Mecanización Agropecuária - Universidad Agraria de la Habana (2010) Membro do grupo da comunicação e produção audiovisual do Núcleo de extensão e pesquisa em agroecologia e agroecossistemas NEPAA. Estudante do Cinema no Instituto Federal de Goiás. Colômbia.






Pablo Piovano
Fotojornalista argentino, Cineasta. Em 2005 e 2014, Pablo recebeu uma bolsa de estudos da Fundação García Márquez. Ganhou inúmeros prêmios, incluindo o Phillip Jones Griffiths Foundation Award, 1º lugar da 'Fundação Manuel Rivera Ortiz' no Festival de Nova York, o Internacional da Imagen (FINI) no México, e 3º lugar na Foto do Ano América Latina. “El costo humano de los agrotóxicos” é sua mostra fotográfica mais premiada no mundo. Ela narra os impactos dos agrotóxicos na saúde de populações rurais no interior da Argentina. Esta mostra fotográfica também resultou em um filme, no qual tem o mesmo nome. O filme foi produzido e dirigido por Pablo Piovano, na Argentina em 2014. Argentina.





Gloria Piedrahita Sarmiento
Cineasta, fotógrafa e produtora. Mestra em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás, Bolsista OEA-GCUB-2014. Pesquisadora do Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo Gwatá - Universidade Estadual de Goiás, Editora audiovisual - ESSÁ Filmes. Especialização Lato Sensu - Formação Docente em História e Cultura das Africanidades Brasileiras. Possui graduação em Licenciatura en Comunicación e Informática Educativa - Universidad Tecnológica de Pereira, Colômbia (2010). Lecionou na Universidad Tecnológica de Pereira – Colômbia. Assessorou pesquisas no programa Ondas-Risaralda - Colciencias (Departamento Administrativo da Ciência, Tecnologia e inovação), na linha de pesquisa Pedagogia e Currículo. Colômbia.






Yanara Galvão
Professora, cineclubista, produtora cultural. Possui mestrado em Cinema e Narrativas Sociais (PPGCINE/ UFS), com pesquisa sobre as mulheres no cinema, suas trajetórias, políticas e estéticas, centrando-se na experiência de Pernambuco. Pernambuco.






Patrícia Mousinho
Educadora Ambiental, fotógrafa. Pós-graduada em Avaliação, Planejamento e Gerenciamento Ambiental (UERJ), Mestre em Ciência da Informação (UFRJ). Nos últimos dez anos, vem atuando no Festival Internacional de Cinema Ambiental (FICA), onde já foi gerente de produção do Fórum de Meio Ambiente e do Fórum de Cinema, membro do Júri de Seleção e do Júri da Mostra Competitiva do Festival, além do júri da Mostra da Associação Brasileira de Documentaristas. Goiás.





Eduardo Tornagli
Ator, diretor, poeta. Atuou em várias telenovelas, filmes e peças. Na TV teve destaque como o Rafael da telenovela “A Gata Comeu” de 1985, atuando ainda em: “A Moreninha”, “Vejo a Lua no Céu”, “Memórias de Amor”, “O Espantalho”, “Vereda Tropical” e “Carmem”. No cinema atuou no longa “O Principe”, de 2005, e em vários outros durante as décadas de 70 e 80. Atualmente dá aulas de teatro para comunidades carentes do Rio de Janeiro, escreve e organiza eventos de literatura e divulgação de poesia contemporânea. Participa do Movimento Humanos Direitos Rio de Janeiro.




Márcio Venício Nunes
jornalista e Documentarista. Graduado em ciências sociais, jornalismo e especialista em cinema documental. Trabalha há 35 anos com jornalismo televisivo e atualmente é apresentador e editor chefe do programa Jornal do Campo (TV Anhanguera/Globo). Produziu e dirigiu dezenas de documentários com temas sociais.




Tainá Marajoara
Indígena do Povo Marajoara da Ilha do Marajó. Marter-chef, ambientalista, graduada em ciências sociais na Universidade Federal do Pará - UFPA. Integra o núcleo de pesquisas David Rockefeller Center, de Harvard University. Diretora do projeto CATA - Cultura Alimentar Tradicional Amazônica - da Ong Amazônia Viva. Pará. 




Ricardo Rezende Figueira
Padre, Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais (1976), mestrado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1999) e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas com ênfase em antropologia, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003) e pós doutorado na Universidad Carlos III, de Madrid. É docente na UFRJ, localizado no Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos. Faz pesquisas sobre a escravidão contemporânea. Foi consultor de conteúdo em diversos documentários sobre trabalho escravo contemporâneo. Rio de Janeiro.




Gilmar Kiripuku Galache
É Terena, graduado em Design (2008), Mestre em Desenvolvimento Sustentável (CDS / UNB) e coordenador de estratégias da Associação Cultural de Realizadores Indígenas - ASCURI, um grupo de jovens realizadores/ produtores culturais indígenas que buscam, por meio das Novas Tecnologias de Comunicação a garantia dos territórios tradicionais, bem como o fortalecimento do jeito de ser dos Povos Indígenas de Mato Grosso do Sul (Brasil). Indígena do Povo Terena, Cineasta, produtor, fotógrafo. Mato Grosso do Sul.




Ademilson Kikito Concianza
É Kaiowá, ator e cineasta com formação em edição, montagem e fotografia no Brasil e Bolívia. Atua ativamente na Associação Cultural de Realizadores Indígenas - ASCURI, um grupo de jovens realizadores/produtores culturais indígenas que buscam, por meio das Novas Tecnologias de Comunicação a garantia dos territórios tradicionais, bem como o fortalecimento do jeito de ser dos Povos Indígenas de Mato Grosso do Sul (Brasil). Tem vários documentários produzidos a partir da história dos Kaiowás. Mato Grosso do Sul. 




Wilson Rocha Fernandes Assis
Mestre em História pela UFG e em Direito Constitucional pela Universidade de Sevilha/Espanha. Procurador da República. Representante do MPF no Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais Goiás.




Rodrigo Arajeju
Cineasta, produtor, fotógrafo. É realizador na produtora independente 7G Documenta e mestre em Sustentabilidade Junto a Povos e Terras Tradicionais, pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB. Com o Povo Kaiowa, desde 2014, produz documentários e vídeos sobre as lutas e os lutos nas retomadas. Brasília. 




Marise Urbano
Mestranda pelo Programa Interdisciplinar de pós-graduação em Cinema pelo PPGCINE/ UFS e pelo Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade – UFBA. Coordenadora do Coletivo Periférico de Cinema – COPECINE, é responsável pela GIRA POMBA PRODUÇÕES. Exerce função como técnica de som; produtora; diretora, roteirista, pesquisadora e facilitadora. Diretora dos curtas-metragens “Tomates Maduros” (2018), “Com os pés no Chão” (2017), “Boa Noite” (2015) e “Sentinela” (2014); assistente de direção em “Cleo” (2015) de Malaika KB; técnica de som em “Presente de Mãe D´água” (2016) de Malaika KB, “Por onde ELAS andam” (2015) de Yasmin Muller e na Pesquisa documental "Mulheres negras que não se deixaram escravizar" (2017-2018) de Lilih Curi. Participou da curadoria da II Mostra Lugar de Mulher é no Cinema. Ministrou oficina sobre Reflexões de raça e gênero no cinema contemporâneo pelo EGBÉ - Mostra de Cinema Negro; oficina de Roteiro em Remanso - Ba pelo CACINBA E CUCA e ministrou aulas de desenho de som pelo Curso Livre de Cinema - CLIC em 2017. É idealizadora e coordenadora da Mostra Cine Dendê. Participa de palestras e debates. Atualmente estuda o Ruído no Cinema de Periferia. Bahia. 






Elenízia da Mata
Contadora de histórias e cantora. Graduada em Letras –UEG, MBA em Gestão do Terceiro Setor – ESUP, Especialização em Direitos Humanos – UFG. Coordena o Centro Especializado de Atendimento à Mulher da Cidade de Goiás/GO desde 2013. Vice-coordenadora do Fórum de Políticas Públicas para Mulheres da Cidade de Goiás. Consultora e instrutora credenciada Sebrae.Membro da ASCENDA- Associação de empresários e empreendedores para o  fortalecimento do afro-empreendedorismo. Sócia proprietária da empresa IdeiasBr - Instrutoria e Consultoria e da empresa Lux Mundi Energias Renováveis. 






Luciana Oliveira
Cineasta e Mestra em Cinema e Narrativas Sociais (PPGCINE/UFS). Co-idealizadora da EGBE - Mostra de Cinema Negro de Sergipe, cineclubista no Cineclube Itinerante Candeeiro e sócia na produtora Rolimã filmes. Dirigiu o documentário “O corpo é meu” (2014) premiado no Festival de la Mujer Marialionza na Venezuela (2015) e com o Prêmio Antonieta Barros (2016). Dentre outras produções, como clipes musicais de artistas sergipanas. Sergipe.






José Valdir Misnerovicz
Camponês, ativista, militante do MST- Via Campesina. Graduado em Geografia Licenciatura e Bacharelado pela UNESP - Presidente Prudente - SP, Mestre em Geografia pela UFG – GO. Rio Grande do Sul. 






Lázaro Ribeiro
Mestrando no programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Performances Culturais na Universidade Federal de Goiás - UFG. Pós-Graduado em Patrimônio, Direitos Culturais e Cidadania pela UFG. Graduado em História pela Universidade Estadual de Goiás - UEG. Realizador (roteirista e diretor) de cinema e audiovisual. Coordenador do Ponto de Cultura Imagem da Memória CIA Express Arte.  Entre suas produções independentes de cinema estão “Maria Macaca” (2015). Vencedor de diversos prêmios, entre eles o Troféu Luiz Gonzaga (Melhor Filme Júri Popular) e o Troféu Bernardo Élis (Segundo Melhor Filme Goiano - FICA 2015). Produziu outras obras como: “Caminho de Pedras” (vida e obra de Cora Coralina) e “HUGO” (2017), curta sobre a vida e obra de um dos maiores regionalistas do nosso país, o escritor Hugo de Carvalho Ramos. Goiás. 






Graziele Andrade Ferreira
Atual coordenadora geral do Núcleo de Produção Digital (NPD) Orlando Vieira, unidade da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (FUNCAJU) da Prefeitura de Aracaju. Mestranda em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Desde 2016, Conselheira de Estado da Cultura de Sergipe. Integrou a diretoria de diversas entidades de classe, inclusive foi articuladora nacional e diretora nordeste do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros (2012 a 2014). Coordenadora Geral do Núcleo (NPD) Orlando Vieira da Prefeitura Municipal de Aracaju, integrante do Programa Olhar Brasil da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (2009 a 2012). Articuladora Audiovisual do Plano Municipal de Cultura de Aracaju (2012). Jurada do X Edital Ceará de Cinema e Vídeo (Governo do Ceará – 2012) e do 7º Edital do Audiovisual de Pernambuco (Governo de Pernambuco- 2014).






Thomas Bauer
nascido na Áustria, mora há mais que 20 anos no Brasil. Formado em engenharia naval e pela academia social católica em ética social, economia e política. Como fotógrafo e documentarista tenta através de trabalhos documentais/ audiovisuais “dar voz aos que não tem, mostrar o outro lado do visível, do predominante, ou simplesmente ser criativo com as imagens e relatos encontrados no cotidiano...”. Dirigiu os documentários Energia Eólica: a caçada pelos ventos! (2013) e Seu churrasco tem soja? (2017) e Baixões: um povo que luta e resiste há 55 anos (2018). Dentre outras produções de curtas, colaborações através da fotografia com matérias e reportagens, além da colaboração com equipes da TV pública da Áustria em alguns momentos. Para conhecer mais do meu trabalho acesse: thojbauer.com





Nadine Carolina Araújo dos Santos do Nascimento
Bailarina em Dança Contemporânea e Bellet Clássico, Formada em Jornalismo pela Universidade Católica de São Paulo – SP, atualmente assessora de comunicação da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, atuou como repórter pelo Jornal Brasil de Fato e Le Monde Diplomatique Brasil.



ORGANIZAÇÃO 

Organização Geral
Dagmar Talga
Priscilla de Souza Viana
Rodrigo Santana
Diogo de Souza

Tráfego de Filmes/técnica/designer gráfico
Janiel Divino de Souza
João Dornelles
César David Rodríguez

Comunicação
Luiza Damigo
Ana Carolina Santomé Franco
João Dornelles

Produção
Glória Piedrahita Sarmiento
Ada Cristina Pontes Aguiar
Érika Teles
Fernando Curado
Rita Simone
Jaqueline Vilas Boas Talga

Assessoria Científica
Ada Cristina Pontes Aguiar