As imagens dos territórios

Os relatos de experiência popular em vídeo mostrarão a diversidade das experiências, com protagonismo das próprias famílias e comunidades


Seu Altamiro fala sobre as normas de submissão
Como diria o cineasta brasileiro Glauber Rocha “para fazer um filme, basta uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”. Hoje, com o avanço das tecnologias, podemos dizer que basta um celular, uma boa ideia e acesso à internet para contar a diversidade de cores, sabores, cheiros, lutas e resistências que pulsam nos territórios.

O diálogo de saberes é um dos princípios que fortalecem o lema do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA): “Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte na Democratização dos Sistemas Agroalimentares”, que acontecerá de 4 a 7 de novembro em Sergipe.

Os vídeos devem ser gravados na posição horizontal com duração de até 5 minutos, trazendo a força, riqueza e diversidade da experiência – seja anúncio ou denúncia.

Acesse o edital aqui.



#CBANordeste #EcologiaDeSaberes #AgroecologiaÉoCaminho
De olho nos prazos do XI CBA

Aviso as e aos navegantes: as inscrições para o XI Congresso Brasileiro de Agroecologia serão abertas na próxima semana, início de junho. E, por isso, prorrogamos o prazo para inscrição no primeiro valor de contribuição, a tabela já está atualizada no site (veja na aba inscrições).

Temos duas datas para colocar nas agendas:
19/06: submissão de trabalhos nas três categorias, incluindo os relatos de experiência popular em vídeo
30/06: primeiro prazo para recebimento das inscrições, no valor anterior

Divulgaremos amplamente quando o sistema estiver no ar!

Aproveite para seguir nossas páginas no Instagram e no Facebook e ficar por dentro da construção coletiva do CBA Nordeste.


#AnotaNaAgenda #SubmissãoDeTrabalhos #InscriçãoCBA  #EcologiaDeSaberes #ABAgroecologia

Comissão Organizadora do XI CBA divulga normas para submissão de relatos de experiência popular em vídeo

“Ninguém começa lendo a palavra, porque antes da palavra, o que existe é o mundo; e as pessoas, homens e mulheres, leem o mundo na medida em que o interpretam.”

(Paulo Freire)



É nos territórios que a agroecologia pulsa forte. Que as famílias camponesas preparam a terra e cultivam as sementes com o amor necessário à produção de alimentos. É nos territórios que se produz a cura para os males do corpo e da alma. É nos territórios que se faz fluir a água da vida e que se firma os passos necessários à construção do conhecimento agroecológico.

Por isso, o diálogo de saberes é um dos princípios que fortalecem o lema do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA): “Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte na Democratização dos Sistemas Agroalimentares”, que acontecerá de 4 a 7 de novembro em Sergipe. Quando criamos as condições necessárias para a existência de um diálogo horizontal entre o conhecimento popular e o conhecimento científico estes ambientes de aprendizagem se tornam reais.

Olhando para as diversas linguagens - texto e vídeo, e tradições - oral e escrita, o XI CBA dá mais um passo em direção a estes ambientes de diálogo de saberes ao abrir, pela primeira vez em seu congresso, a submissão de relatos de experiência popular em vídeo. Divulgamos, ABA-Agroecologia e a Rede Sergipana de Agroecologia (Resea), as normas para submissão de trabalhos nesta categoria.

Como dizia o grande cineasta Glauber Rocha, na década de 1960, “para fazer um filme, basta uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”. Hoje, com o avanço das tecnologias, podemos dizer que basta um celular, uma boa ideia e acesso à internet para contar e divulgar as nossas histórias, fazendo o registro das comunidades onde vivemos e as questões sociais, políticas e culturais de nosso cotidiano. A diversidade de cores, sabores, cheiros, lutas e resistências.

O intuito é abrir espaço para essas experiências agroecológicas, que pulsam nos territórios e são protagonizadas pelas/os agricultoras/es, povos indígenas e comunidades tradicionais. Os vídeos submetidos como relatos de experiência popular para o XI CBA podem ser feitos tendo como único recurso um celular e uma ferramenta de captação de áudio muito simples, como um fone de ouvido com microfone.

Normas de submissão 

Os vídeos devem ser gravados na posição horizontal com duração de até 5 minutos, trazendo a força, riqueza e diversidade da experiência - seja anúncio ou denúncia. Instigar a nossa criatividade ao compartilhar nossas histórias, que pessoas fazem parte dela, de que maneira se envolvem, como ela dialoga e se relaciona com o dia a dia da comunidade onde está inserida.

Os materiais produzidos devem ser encaminhados para o e-mail produtora.ufs@gmail.com até o dia 19 de junho de 2019, seguindo as normas do edital e junto ao Termo de Cessão de Imagem devidamente assinado por todos/as os/as que participam do vídeo. As normas para submissão e o termo de cessão de imagem estão disponíveis aqui e ao final deste texto.

Os vídeos serão avaliados pela Comissão de Curadoria dos Relatos de Experiência Popular em Vídeo, cujo e-mail para contato é o curadoriadevideos.cba@gmail.com.


Mobilização e protagonismo  

Fortalecer os espaços de organização e mobilização social dos diversos sujeitos que constroem a agroecologia enquanto prática, ciência e movimento é um dos horizontes do XI CBA.

Por isso, a submissão de relatos de experiência popular em vídeo apresenta desafios incríveis não só à Comissão Organizadora do XI CBA, mas também aos/às assessores/as técnicos/as, extensionistas, núcleos de agroecologia, coletivos e redes de agroecologia: contribuir com a mobilização nos territórios para que seja garantido o processo de gravação e envio dos vídeos com as narrativas sobre as experiências agroecológicas realizadas pelos/as agricultores/as, camponeses/as, povos indígenas e comunidades tradicionais.

Normas de submissao de videos_Maio2019


Termo de cessao de imagem

Passo a passo wetransfer




I Workshop de Agroecologia e Agroturismo de Sergipe estimula a pesquisa e o diálogo de saberes rumo ao XI CBA

“Sergipe, cajueiro em flôr, esse é o meu lugar.
Caatinga, monte e cerrado, vaqueiro voraz.
Ilha do Ouro negro, futuro do meu país.
No Cânion do São Francisco quero te encontrar.
Aracaju, minha menina, princesa do mar.
São Cristovão, Laranjeiras terra de orixás.
Cacíque Serigy, xokós, xaxado, xote e baião.
Sergipe, você nunca sai do meu coração...”


Feira de produtos agroecológicos durante evento
Na voz de Gildete Aragão e acompanhamento do músico e maestro Daniel Freire, foram iniciadas as atividades do I Workshop de Agroecologia e Agroturismo, recebendo, no cenário, produtos do espaço rural de Sergipe e convidando todos a enaltecerem a beleza dos recantos e da cultura sergipana, descritas nos versos da música “Sergipe, o meu lugar”, de autoria de Luiz Fontinelli.

O evento, ocorrido nos dias 21 e 22 de maio, no Centro de Pós Graduação do IFS, teve como proposta promover a pesquisa e o desenvolvimento do turismo de base comunitária integrado a agroecologia, por meio do diálogo de saberes, na perspectiva da multifuncionalidade do campesinato. Sob a ótica da sustentabilidade ambiental e da promoção da economia local, foi realizada uma Oficina de Bioconstrução, com a confecção das bancas de bambu e aquisição dos materiais do evento, como canecas e bolsas. Também culminou com a Reunião Preparatória para o XI Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA), que acontecerá entre os dias 04 e 07 de novembro de 2019, na Universidade Federal de Sergipe (UFS).

O evento contribuiu para promover o diálogo de saberes
Com o objetivo de dar visibilidade às experiências, o público foi composto por pesquisadores, estudantes, representantes de instituições de pesquisa e de fomento, comunidades tradicionais, camponeses e artesões inseridos na agroecologia e no agroturismo. Para facilitar o diálogo dos públicos diferenciados, foram realizadas dinâmicas de grupos, socialização de experiências e a Feira dos Produtos Agroecológicos e da Sociobiodiversidade, construído pela Coordenação do Curso de Pós Graduação de Turismo do IFS e pelo Núcleo de Estudos Agroecológicos do IFS (NEA/IFS).  
O Workshop contou com o apoio da Rede Sergipana de Agroecologia (RESEA) e com palestrantes da UFS e da Embrapa Tabuleiro Costeiros, tendo importantes contribuições dos estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia, do Curso de Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo, das Cooperativas e Associações Agroecológicas e da Linha de Pesquisa em Turismo de Base Comunitária.

Por meio de metodologias participativas, foram realizadas reflexões sobre as rotas de saberes, sabores e encantos das comunidades de Sergipe, que servirão de base para as atividades de visitação durante o XI CBA.

Texto e fotos: Márcio Santos


Poesia de Maicon Catingueiro
Articulação Paraibana de Agroecologia (ARPA PB)

Na voz de Vitória Trajano
Jovem camponesa paraibana

Tecendo o CBA
Chega pra cá minha gente
Vem curtir a novidade
Espaía essa notícia
No campo e na cidade
Com camponeses e camponesas
E também com a mocidade

Faz um TEMPO BOM
Que estamos a matutar
De um modo coletivo
A construção do CBA
E depois dessa matutada
Nós viemos anunciar
Anunciar um CBA
Que tenha cara de povo
Uma ciência popular
Que nos traz um tempo novo
O CBA nos territórios
É algo que a gente sente
Por ser teia coletiva
Nos deixa muito contente

O CBA é um futuro
Presente em nosso presente
A nossa identidade
Vem do meio popular
Vem de quem resiste forte
Na defesa do lugar
Tendo cheiro, raízes e cores
Vem de quem exalar amores
Vindo a nos alimentar

Realizando anúncios
Ajudando na construção
Criamos o nosso site
Com a comunicação
Divulgando os processos
Tecido por muitas mãos
Acesse cbagroecologia.org.br
E fique atualizado
Construindo juntos e juntas
Caminhando lado a lado
Misturar CBA e Nordeste
É um processo arretado.

#XICBA #SemCulturaNãoHáAgroecologia #CBANordeste #JuventudeAgroecológica #AgroecologiaÉoCaminho #EcologiaDeSaberes #VemCBA

Rumo ao XI CBA: adubando a terra, semeando esperança

III Encontro Nacional de Agroecologia. Foto: Cintia Barenho
Produzir coletivamente um encontro como o Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA), mergulho que nos propomos a fazer a cada dois anos, é um potente desafio. Na certeza de que só é possível realizá-lo ao lado das diversas organizações que caminham conosco e com as quais construímos nossa trajetória, este ano teremos o XI CBA. Animado pela Associação Brasileira de Agroecologia (ABA) e pela Rede Sergipana de Agroecologia (RESEA), o evento será realizado de 4 a 7 de novembro de 2019, na Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Com o lema Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte na Democratização dos Sistemas Agroalimentares, e ressaltando a importância dos processos preparatórios descentralizados nos territórios, um de nossos horizontes é fortalecer os espaços de organização e mobilização social dos diversos sujeitos que constroem a agroecologia enquanto prática, ciência e movimento.

E, como todo grande encontro, a realização do XI CBA nos traz diversos desafios. Acolhemos o que chega e tentamos, coletivamente, encontrar caminhos para solucionar as demandas, seguindo os princípios agroecológicos e nossos sonhos de fortalecer a construção do conhecimento.

Com o CBA se aproximando, o período de submissão de trabalhos aberto e a necessidade de nos organizarmos para contribuir com a construção do congresso de forma qualificada a partir dos territórios, atentamos para uma questão central: o entendimento do CBA não apenas como um evento ou um “éééé vento”, aquele que vem, cumpre seu papel e passa. O congresso é muito mais que um momento de alguns dias, é um processo coletivo de construção e fortalecimento. Por isso, toda crítica, sugestão e contribuição são mais que bem vindas, bem como as mãos, mentes e corações para construir em conjunto.

Seguimos a disposição, em parceria e em rede, construindo conhecimento!

1ª Oficina de Alimentação mapeia produção agroecológica do Estado de Sergipe

"Põe a semente na mão de quem semeia. Põe a semente na mão do semeador. Põe a semente na terra e deixa germinar. A semente nasce e cresce. Ela vai dar bom fruto e vai saciar". 

1° Oficina de Alimentação é realizada em Sergipe.
Foto: Priscila Viana.
Sob as bênçãos da memória ancestral e da força do alimento, foi realizada a "1° Oficina de Alimentação" preparatória para o XI Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA). Com o tema "Cultura Alimentar e Produção Agroecológica em Sergipe", a oficina reuniu cerca de 50 pessoas entre a sexta e o sábado, 12 e 13 de abril, no Assentamento Quissamã, em Nossa Senhora do Socorro, para iniciar a construção coletiva do mapa geográfico da produção agroecológica de Sergipe.

Com os pés na nossa abençoada terra e a mente voando bem alto rumo aos sonhos, agricultores e agricultoras dos territórios agroecológicos e empresas fornecedoras de alimentação coletiva em Sergipe caminharam rumo ao fortalecimento da parceria necessária para garantir uma alimentação agroecológica durante o XI CBA, que será realizado em Sergipe, entre 4 e 7 de novembro de 2019.

Grupos mapeiam produção agroecológica.
Foto: Márcio Santos.
A partir de uma metodologia participativa de mapeamento, as/os participantes foram divididos em grupos simbolizados por diferentes regiões do Estado. Cada grupo encarou o desafio de mapear a produção agroecológica dos territórios, tendo como horizonte a preparação da alimentação do XI CBA. Em seguida, o mapeamento por região foi sistematizado em plenária, oportunidade de aprofundamento do diálogo entre as agricultoras e os agricultores e as empresas fornecedoras de alimentação.

"Muito interessante essa troca de experiências entre as comunidades e é incrível perceber a disponibilidade e variedade de produtos que temos por todo o Estado, coisas que eu nem sabia", afirmou a marisqueira Maria Geonísia, mais conhecida como Nice, moradora do povoado Muculanduba, em Estância.

Durante os dois dias de oficina, o alimento foi o personagem principal, a partir da sua simbologia de memória, identidade e valor cultural para os povos. Ao final do evento, foi formado um Grupo de Trabalho (GT) da Alimentação, que seguirá se dedicando à articulação e fortalecendo a parceria necessária para garantir uma alimentação 100% agroecológica durante o XI CBA.