O som das ruas da Banda Lauvaite Penoso e Grupo Ritmos e Encantos embalaram a noite

Poética urbana e ecletismo do Lauvaite Penoso
(fotos: Cléver Sena)
A Banda Lauvaite Penoso abriu a terceira noite (30/09) da programação cultural do IX CBA. O show trouxe uma pegada de poética urbana e mistura de ritmos, e foi dedicado às comunidades que lutam por uma vida mais digna, principalmente, aos que colaboram com a questão da agroecologia, sustentabilidade e desenvolvimento ambiental. “A mensagem que eu passo é para fortalecer, sempre ter a resistência, não desistir pelas dificuldades de acesso, optar pelas coisas que valem mesmo à pena”, disse a vocalista Gabriela Maurity.

Durante o show da banda, o público dançava e curtia o repertório regionalista. Elaína Ferreira é fã do grupo e contou que o dia 30 foi fechado com chave de ouro. “Eles são maravilhosos, são diferentes de tudo que tem aqui em Belém. Eles têm uma proposta eclética, mas ainda assim, têm uma cara muito nossa, principalmente, uma cara que é típica da nossa geração”, contou Elaína. Outra atração da noite, no palco do Tapiri Cultural, foi o Grupo Ritmos e Encantos, que animou o público com muito suingue.
Carimbó do Ritmos e Encantos colocou todo mundo para dançar

“Mulheres da Terra” é exibido no IX CBA

Ainda no dia 30, o público do congresso teve oportunidade de assistir ao documentário catarinense “Mulheres da Terra”. De uma forma mais poética, foi exposta a importância da mulher na preservação da diversidade da alimentação do mundo e sua relação íntima com a terra e as sementes crioulas. O documentário debate a importância do futuro da agricultura e do planeta. É uma produção da Plural Filmes que fala da realidade por meio de histórias de vida. Após a exibição, houve debate sobre o tema, com a coordenação de Lucimar Santiago de Abreu, socióloga rural.

Texto: Raíssa Cardoso - estudante de jornalismo da Universidade da Amazônia (Unama)